Loader

Perca o medo de tubarões

Milhares de animais são vítimas da prática cruel chamada finning

Por FishTV - 04/12/2014 em Notícias / Meio Ambiente

O finning leva dezenas de tubarões à perderem a vida de forma cruel todos os anos. São cerca de 70 milhões, vítimas da prática desumana de cortar as barbatanas do animal e depois jogá-lo no mar ainda com vida, fazendo com que morram de fome ou sirvam de alimento para outros animais.

As barbatanas dos tubarões são retiradas para compor a culinária asiática. Tida como iguaria, a sopa de barbatana de tubarão é muito apreciada no Oriente, em especial na China. Ainda assim, mesmo o Brasil não consumindo este tipo de alimento, a costa brasileira faz parte da rota de pesca de diversas espécies de tubarões. 

As barbatanas dos tubarões são retiradas para compor a culinária asiática. (Imagem: Reprodução/ Mar Sem Fim)


Entretanto, devido ao abate, as populações de tubarões têm diminuído drasticamente nos últimos anos, correndo risco de levar a extinção. Mais de 40% das espécies estão em risco de desaparecer dos oceanos, devido à prática do finning.  
No Brasil, uma antiga portaria do Ibama já inibia esta prática ilegal desde 1998, que determinava que o peso das barbatanas não ultrapassasse 5% do peso total dos pescados. Porém a partir de 2012, o Ibama fiscaliza as embarcações, e todos os animais pescados devem estar com as barbatanas. 

O Instituto SeaShapper defende que o finning deve ser proibido, assim como a pesca de todos os tubarões, e um projeto de lei já está no Senado.    

Em média 116 pessoas são vítimas de ataques de tubarões por ano no mundo, mas apenas 9 são fatais. (Imagem: Reprodução/Fish TV)


A campanha Stop Shark Finning (http://www.stopsharkfinning.net/) pretende conseguir uma proibição mundial da prática do finning, para que os tubarões não sofram e não sejam extintos. Informe-se sobre a remoção das barbatanas de tubarão e como você pode ajudar a acabar com ela.



A maioria das espécies de tubarões não atacam humanos. (Imagem: Reprodução/ Fish TV)

Avalie esta noticia:

MAIS NOTÍCIAS