Associação Brasileira de Pesca com Mosca apresenta nova diretoria

Equipe de jornalismo da Fish TV entrevistou o novo presidente da associação

Por Alison Mota - 22/05/2020 em Notícias / Geral - atualizado em 25/05/2020 as 14:12

A Associação Brasileira de Pesca com Mosca (ABPM) escolheu a nova diretoria para o biênio 2020-2022. Os atuais integrantes já faziam parte da associação e formaram uma chapa para a disputa, sendo escolhidos através dos votos dos associados.

Assim, a nova diretoria da ABPM é formada por: Jean Michel de Moura – Presidente; Marcos R. L. Alves – Vice-presidente; Cristiano Scheider – Secretário; Dáfne P. Vergara – Tesoureira; André M. Vergara – Conselheiro Fiscal; Fabrizio Begliomini – Conselheiro Fiscal; Francisco E. Baleotti – Conselheiro Fiscal; Samuel Villanova – Suplente.

O novo presidente conversou com a equipe de jornalismo da Fish TV e respondeu algumas perguntas sobre sua atuação no biênio em que presidirá a ABPM. Confira na íntegra abaixo:


Fish TV - Como é estar à frente da ABPM e representar os mosqueiros do Brasil?

Jean - É como pescar de fly, um desafio e um aprendizado a cada dia.
Representar a modalidade é algo grandioso porque o fly é muito diferente, ele traz um contato com a natureza que excede a pescaria. Além disso, responder por cada mosqueiro é algo difícil, confesso. Se tratando de uma associação, todos esperam benefícios antes de mais nada. O maior desafio é encontrar esse equilíbrio entre oferecer algo que não é palpável (além de bonés, camisetas e adesivos), ou seja o conhecimento, e encontrar pessoas dispostas a doar um pouco da sua vida ao trabalho pela modalidade. Minha personalidade naturalmente é familiar, compreendo que família é o meu bem mais precioso. Então, nesse biênio, vamos trabalhar com pensamento de família, queremos acolher a todos que se interessarem pela modalidade, não importa a situação, vamos pegar na mão e ensinar tudo o que o pescador vai precisar para que ele possa tão logo usufruir da modalidade no seu ambiente de pesca.

Para isso temos o projeto “Caminho do Mosqueiro”, em que pretendemos acompanhar o caminhar dele, a fim de ensinar o que ele precisa aprender até poder andar com as próprias pernas, mas não distante de nós, digo com as próprias pernas porque chegará o momento em que ele irá começar a contribuir com os demais com a experiência que vai adquirir pescando. No primeiro passo desse caminho, ele será assessorado no grupo CAMI, “Centro de Atenção ao Mosqueiro Iniciante”. Ali, ele receberá informações iniciais sobre a modalidade, para que compreenda de maneira geral como o fly funciona. E depois já com conhecimento básico e alinhado aos demais, ele passa a escolher quais grupos de aprendizado focado ele quer aprender, e nesse sentido dispomos de uma variedade deles à escolha do mosqueiro.

Fish TV - Como vê a importância do pescador de fly fazer parte da associação?

Jean - O mosqueiro é a peça mais importante de tudo isso, não existe associação sem mosqueiros. Nosso trabalho seria em vão se ninguém quisesse aprender sobre o fly, seríamos poucos pescadores espalhados pelo Brasil, pescando individualmente e com conhecimento trancafiado dentro de nós.

O mosqueiro tem dois papéis fundamentais aqui na ABPM:

1 – Querer aprender sempre.

2 – Estar disposto a compartilhar conhecimento.

Primeiro o sentimento de que temos muito a aprender durante toda nossa vida, e segundo que compartilhar conhecimento com mais mosqueiros nos fará um bem muito grande enquanto pessoas, e mais ainda enquanto comunidade. Isso faz parte do perfil dos pescadores que hoje compreendem a família ABPM. A presença de mosqueiros novos é o nosso combustível para desempenhar nosso papel à frente da Associação e criar novos projetos para que a modalidade cresça em nosso país.

Fish TV - Quais são os primeiros passos que pretende dar agora que está à frente da Associação?

Jean - Primeiro estou tomando conhecimento sobre a Associação e os projetos que já vinham sendo trabalhados pela diretoria anterior, me ambientando ao trabalho com minha equipe, de certa forma. Em segundo lugar, estamos nos organizando para o planejamento estratégico deste biênio (2020/2022), para que possamos levar os projetos ao conhecimento dos sócios e ao público. Em seguida, vamos botar a mão na massa, temos um longo caminha para trilhar e estaremos focados em fortalecer a ABPM e desenvolver a pesca com mosca no Brasil através da amizade, consciência ambiental, informação e representatividade.

Fish TV - Com a pandemia, quais soluções a ABPM está encontrando para manter a divulgação da pesca com mosca no Brasil?

Jean - Durante a quarentena, iniciamos um trabalho com webnários online para sócios (aberto à convidados uma vez por mês). Esses webnários são feitos por grupos separados por assunto de interesse do mosqueiro. Por exemplo: temos grupos de carpas, tucunarés, trutas, entre outros peixes, bem como assuntos pertinentes a ao fly como um todo, com alguma outra forma de pesca, como por exemplo usando caiaques, este é o grupo que sou mentor, “Fly e Caiaque”.
A medida em que vamos trazendo mais informação de qualidade, vamos recebendo novos interessados em conhecer e aprender mais sobre o fly. Esses contatos chegam através dos nossos grupos monitorados (aplicativo de mensagens), através do nosso site, das mídias sociais e também fisicamente nas nossas regionais espalhadas pelo Brasil. Mantemos ativamente a divulgação da Associação através das mídias mais usadas atualmente, para que possamos alcançar todos os mosqueiros quanto for possível.

Fish TV - Como está o índice de disseminação da pesca com mosca no Brasil?

Jean - Na ABPM, atualmente temos 560 associados. Obviamente este não é o número de mosqueiros que existe no Brasil, mas há um crescimento ascendente muito legal ao nosso ver, visto que iniciamos um trabalho com webnários on line há pouco mais de um mês e já tem demonstrado resultados surpreendentes. Além disso, um fator determinante para esse crescimento tem sido o trabalho da Fish TV, através do programa “Na Pegada do Fly”, com nosso querido Kid Ocelos, que com todo seu carisma leva o fly para todas as telinhas do nosso Brasil.

Não consigo traduzir tudo isso em números exatos pra vocês, mas todo dia recebemos pescadores em nossos grupos, seja iniciante, simpatizante, adepto ou mesmo um mosqueiro com experiência. Sabemos que, a grande maioria dos pescadores que iniciam no fly, não saem mais da modalidade, e aí a dica é: não tente aprender sozinho. Busque alguém que conheça e que possa lhe ensinar, pois a modalidade é pra ser aprendida em conjunto, ela gera parcerias e amigos pra vida toda. Em consulta a pescadores mais experientes a nível da pesca no Brasil, chegamos a um número médio de mais de 15 mil mosqueiros efetivos espalhados em nosso país, número que segue crescendo.
Bom, seja um iniciante na modalidade ou um mosqueiro experiente, todos são bem-vindos a somar nesses números junto a família ABPM.

Veja a notícia na TV:


Avalie esta notícia:

MAIS NOTÍCIAS