Governo de São Paulo faz pesquisa para salvar peixes ameaçados

Trabalho tem como objetivo evitar a redução da população de espécies de peixes

Por Laís Vanessa - 20/07/2020 em Notícias / Meio Ambiente - atualizado em 20/07/2020 as 12:02

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, através do Instituto de Pesca (IP-APTA), está realizando pesquisas científicas em vários rios do Estado com o objetivo de evitar a redução das populações de espécies de peixes. Os trabalhos visam promover o monitoramento da diversidade genética dos animais e, se necessário a reinserção, conhecida também como repovoamento. Além disso, essa é uma forma de garantir a diversidade, o que é importante tanto para o funcionamento dos ecossistemas, como para assegurar a continuidade da pesca esportiva. 

 

De acordo com o pesquisador do IP Fernando Stopato da Fonseca, o Instituto tem atuado em várias frentes de pesquisa, no âmbito de um Programa de Restauração Genética, em que são analisadas as populações de peixes remanescentes, coletados exemplares, avaliadas as condições ambientais e de ocupação humana do entorno. Para ele, essa seria a forma mais eficiente de realizar a reintrodução ou repovoamento de uma espécie. 

 

Os animais capturados são marcados com minúsculos microchips e uma pequena amostra de tecido da nadadeira caudal é retirada para as análises laboratoriais. A partir da obtenção dos materiais são aplicadas técnicas de biologia molecular para avaliar a variabilidade e, só então, reproduzir os animais em cativeiro e proceder sua reinserção no ambiente. "É um esforço que será recompensado ao salvarmos a espécie em questão", celebra o pesquisador.

 

Um dos casos citados é o do Surubim do Paraíba, um peixe carnívoro que eliminava do rio peixes doentes, além de controlar a população de forrageiros, aumentando a saúde do ambiente. Nesse processo, o Instituto de Pesca analisou as condições do peixe na bacia do rio Paraíba do Sul, onde vários projetos foram realizados em conjunto com a Companhia Energética de São Paulo (CESP), ICMBio e Universidade Mogi das Cruzes (UMC)

 

Esse cuidado com o ecossistema ajuda a manter a vida das espécies por mais tempo. “A existência de uma população geneticamente variada é uma condição fundamental para que determinada espécie de peixe seja capaz de enfrentar as mudanças e desafios impostos pelo ambiente. A diversidade genética entre os indivíduos aumenta a capacidade adaptativa das populações de peixes às mudanças no ambiente, tornando maiores as chances que as espécies sobrevivam diante de algum evento drástico”, explica Fonseca.  

 

Veja a notícia na TV: 

 

Avalie esta notícia:

MAIS NOTÍCIAS