Pesca esportiva com tucunaré na ponta da linha e da caneta

Conheça o projeto que levou o esporte para salas de aula em cidade do Paraná

Por Alison Mota - 09/05/2019 em Notícias / Geral

Quando se fala em pesca esportiva, um dos pilares da prática é a preservação. Soltando os peixes pescados, há a chance das gerações futuras darem continuidade ao esporte. Pensando justamente no futuro da pesca esportiva, a Associação de Pesca Esportiva Santa Terezinha de Itaipu (P.E.S.T.I) fechou uma parceria com a Secretaria de Educação de Santa Terezinha  de Itaipu (SMED) para levar o pesque e solte até cinco escolas municipais da cidade, trabalhando com os quintos anos e envolvendo a comunidade. Essa já é a quarta edição em que a iniciativa acontece.

Com a temática baseada na “Pesca Internacional ao Tucunaré”, evento promovido pela PESTI, os alunos foram incentivados a escrever sobre o assunto depois de assistirem a alguns vídeos sobre a pesca esportiva. Feitas as redações, cada escola seleciona seu melhor texto, que recebem prêmios voltados ao esporte, como varas e camisas de pesca.

Repercussão nas escolas

A SMED acreditou na ideia da PESTI pensando que os professores poderiam desenvolver o assunto com os alunos e, ao final do projeto, eles pudessem aprender mais sobre a pesca esportiva, disseminando a ideia entre seus familiares.

Alunos autores das melhores redações recebendo os troféus

Para Wânia Valério Wiest, professora da escola municipal Nossa Senhora do Carmo, o concurso trouxe a possibilidade de mostrar às crianças que o texto tem função social que vai além das paredes da escola e, durante a pesquisa, todos se mostraram muito motivados. “Depois de tanta pesquisa e dedicação em textos que foram escritos e reescritos, alguns selecionados, as crianças ficaram felizes em ter colegas premiados, e vibraram quando viram o troféu, camiseta e equipamento de pesca dos colegas, quiseram ver de perto, combinar uma pesca e perceberam que vale a pena conhecer e pesquisar sobre um assunto antes desconhecido. Novas ideias foram despertadas, e, com isso, acredito que a feliz proposta da Equipe PESTI foi alcançada: a de disseminar a pesca esportiva entre as crianças a fim de garantir sua existência, através das gerações”, comenta.

Para o representante da PESTI, Rafael Warken, tem sido gratificante a resposta recebida da comunidade. “Quando encontro algumas crianças, é natural virem conversar sobre a pesca esportiva, pela curiosidade que o assunto despertou neles. Os pais comentam que, quando os filhos chegaram em casa após as redações e estudos, falavam muito sobre o tucunaré e o pesque e solte, o que pra nós é gratificante, pois eles são o futuro do nosso esporte”, afirma.

Avalie esta notícia:

MAIS NOTÍCIAS