Estudo analisa impactos da instalação de hidrelétricas na bacia do Alto Paraguai

Resultados de levantamento científico financiado pela Agência Nacional de Águas foram apresentados na última semana em workshop online.

Por Joyce Heurich - 04/11/2020 em Notícias / Meio Ambiente - atualizado em 04/11/2020 as 18:54

Pesquisadores de diferentes universidades do país apresentaram na última semana, em formato de workshop online, os resultados de um estudo sobre os impactos ambientais e socioeconômicos da instalação de hidrelétricas na bacia do Alto Paraguai, no Centro-Oeste do país. A pesquisa considerou a localização de 180 empreendimentos, previstos ou já em operação na região que abrange parte do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, e que inclui o Pantanal - a maior área úmida contínua do planeta. 


Como resultado de 42 meses de trabalho, o estudo possibilitou o mapeamento de áreas estratégicas para a preservação ambiental e que, por esse motivo, deveriam ficar livres de barragens, e de áreas não-estratégicas, onde a instalação de um obstáculo artificial não traria prejuízos significativos ao estoque pesqueiro. A manutenção do estoque pesqueiro é fundamental para garantir o turismo de pesca esportiva na região. 

“Temos quase 70% dos empreendimentos previstos localizados em áreas não-estratégicas, sem impacto para o estoque pesqueiro. Nas áreas com conflito, tenho número menor de empreendimentos, 30% dos empreendimentos previstos”, destacou, durante o evento, o superintendente da Agência Nacional de Águas (ANA) Sérgio Ayrimoraes.

Buscando compatibilizar os múltiplos usos da bacia
, a ANA patrocinou o trabalho, que foi conduzido pela Fundação Eliseu Alves e envolveu mais de 80 pesquisadores e 23 instituições. O levantamento científico foi encomendado com o objetivo de fornecer informações técnicas para balizar tomadas de decisão sobre onde e como empreendimentos hidrelétricos podem ser instalados, além de dar suporte à elaboração do Plano de Recursos Hídricos (PRH) da Região Hidrográfica do Rio Paraguai. O PRH Paraguai foi aprovado em 2018 e deve ser atualizado a partir dos resultados mais recentes dessa pesquisa, divulgados neste ano. 

 

Pesca Esportiva na região

 

Além de se dedicarem a questões como conectividade, qualidade da água, regime hidrológico, sedimentação e ictiofauna, os pesquisadores também levantaram dados que caracterizam o turismo de pesca esportiva na Região Hidrográfica do Rio Paraguai. Confira a seguir alguns números apresentados no terceiro e último dia do evento. Os dados são referentes à temporada de pesca (oito meses/ano). O estudo completo está disponível no site da ANA.

 

Turismo de pesca


Mato Grosso:

  • 100 mil turistas (fluxo/ano)
  • 172 empregos com R$1,6 milhão em salários/ano
  • Geração de R$32,5 milhões/ano em faturamento com atividade turística

 

Mato Grosso do Sul:

  • 123 mil turistas (fluxo/ano)
  • 561 empregos com R$12,0 milhões em salários/ano
  • Geração de R$89 milhões/ano em faturamento com atividade turística

Veja a notícia na TV:


Avalie esta notícia:

MAIS NOTÍCIAS